quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Como uma mulher, um grão e a curiosidade mudaram o rumo da história da humanidade


A Maria era das antigas e vivia como nômade
Percorre seu caminho em busca da colheita
Já se sabia que os vegetais eram alimento para o corpo
E também com a carne, a refeição era feita

Um dia a Maria tornou-se curiosa
Notou que um grão caído na terra germinava
Chamou a Pedrita para ver o acontecido
E após dias vislumbraram a grande planta que brotara

A Maria, empreendedora, refletiu sobre esse fato
Catou alguns grãozinhos que encontrava pelo chão
Jogou-os pela terra, mas tão cedo não choveu
E o esperado por Maria sequer aconteceu

Mas o homem observava a grandiosa natureza
E, com o tempo, desvendava-se o mistério desse "grão"
Já  sabiam que a chuva era importante pro plantio
Nem imaginavam que ali surgia uma revolução

Descendentes de Maria agora vivem em aldeias
Herdaram lotes de terra que geravam mais comida
A fartura de alimento garantido pro ano todo
Fez crescer a quantidade de filhinhos desse povo

A crescente era fértil e a colheita, organizada
E entre os que produziam, alimentos eram trocados
Era o ponto de partida pro comércio e pra cidade
Mas do grão da agricultura brotou, também, desigualdade.



11 comentários:

  1. PERFEITO....
    "Mas do grão da agricultura brotou, também, desigualdade."

    ResponderExcluir
  2. Outro poema sensacional, com rima, história e a origem da agricultura. Ali foi o começo de tudo. Pergunto-me onde será o fim?

    Bjuss

    ResponderExcluir
  3. - clap, clap, clap...
    muito bom, Elisa.

    mas devo confessar que ainda acredito na reversão de tudo isso. acredito na essência pura que transpassa no esforço e na criatividade de todos nós, seres humanos.

    obrigado por essa leitura maravilhosa.
    foi uma ótima surpresa encontrar seu blog.
    visitarei mais vezes.

    cuide-se, abraço.

    ResponderExcluir
  4. Quando há desigualdade deverá brotar a revolução como acima descrito com as pingas da chuva. Maravilhosa poesia de um conto encantado real. Não sei se faz sentido mas por vezes a resposta está nas entrelinhas! Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Elisa, tudo bem?
    Desculpe pela ausência, estive bastante atarefado com os estudos e me dedicando um pouco mais. Seu texto está excelente, parabéns! Trouxe a nós outro poema maravilhoso com suas rimas sempre presentes e coesas. Lindo, lindo!

    ResponderExcluir
  6. Lindo poema! muito bem desenvolvido. Adorei o tema do poema.

    passa la?
    http://errosxacertos.blogspot.com/

    beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Elisa,
    to passando pra avisar que marquei você para fazer uma tag no seu blog, é muito legal! confere la no meu blog:

    http://errosxacertos.blogspot.com/

    beijos

    ResponderExcluir
  8. tbm desigualdade
    e tudo que começa bom alguem faz com que venmha algo negativo mas meu deus menina tu é toda literatura de cordel bjao

    ResponderExcluir
  9. A agricultura mudou os rumos da trajetória humana neste belo planetinha.

    Pena que também brotou a desigualdade... :(

    Lindo texto, Elisa!

    ResponderExcluir