sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Soda cáustica

Quero corroer as mágoas
E dissolver a angústia do meu coração
Mas, quais?
Se aqui estou, inteira e perfeita
Em torno de ocorrências não mais iguais.

Cobre e prata, não!
Eu quero me esbaldar de ouro.
Senti-lo com minhas prórias mãos
E espalhar pelo corpo todo

Mas não o ouro da matéria
Esse é vácuo, e até entristece
Eu quero o ouro da essência
Que, de fato engrandece.

E sabedoria pra saber
Comandar na minha estrada
E os caminhos dicernir
Mas não apenas descobrir
Que o Hidróxido de sódio
É a tal da soda cáustica

2 comentários:

  1. Esse poema saiu de um surto numa aula de química? rsrsrs

    Muito legal.

    bjs

    ResponderExcluir